Nota da Diretoria do ANDES-SN de repúdio aos ataques à autonomia da UFF

NOTA DA DIRETORIA DO ANDES-SN DE REPÚDIO AOS ATAQUES À AUTONOMIA DA UFF

O ANDES-SN repudia os ataques à autonomia interna das universidades públicas, o que vem ocorrendo nos últimos meses nas Instituições de Ensino Superior no Rio de Janeiro. No último dia 13 de setembro, a comunidade acadêmica da UFF de Campos dos Goytacazes foi surpreendida com a presença de um Juiz Federal acompanhado por policiais militares com o objetivo de investigar denúncia sobre o armazenamento de material de campanha política na sala do DCE, que culminou no seu arrombamento pelas forças policiais, ação que nos remete aos tempos da ditadura empresarial-militar brasileira.

Após os atos arbitrários e de desrespeito à universidade e aos presentes, que tiveram preguinhas (adesivos colados nas roupas) arrancadas à força pelos membros da operação, no último dia 19 de setembro o Diretor do Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional (ESR) da Universidade Federal Fluminense (UFF), Prof. Roberto Rosendo, foi novamente surpreendido com a ação arbitrária do judiciário, ao receber intimação impondo sua abstenção política no processo eleitoral dentro da universidade e determinando que o mesmo deva assumir papel de polícia para impedir toda e qualquer ação política dentro do campus, pois essas desrespeitam a legislação eleitoral e o princípio da isonomia com demais partidos e correntes políticas durante o período pré-eleição, sob as penas da lei.

Tais ações criam um ambiente antidemocrático e autoritário nos espaços da Universidade, o que deve ser repudiado e combatido. A Universidade é o espaço de debates de ideias e da construção do pensamento crítico, pois a produção científica não se faz de forma imparcial ou deslocada da realidade e da conjuntura política do país.
Esses ataques são tentativas de amordaçar a Universidade pública e silenciar os debates sobre o momento que vivemos, marcado por forte retrocesso, pelo avanço do autoritarismo e pela ameaça de uma agenda antidemocrática.

Toda solidariedade à UFF!
Por uma Educação sem mordaça!

Brasília (DF), 21 de setembro de 2018

Diretoria do ANDES-Sindicato Nacional

Posted On 24 set 2018

A campanha de sindicalização da Aduferpe com todo gás

Nesta quinta (20), a direção e os funcionários do Sindicato marcaram presença, com os kits da campanha, no l Workshop Pedagógico do Curso de Medicina Veterinária da UFRPE, voltado para os docentes do área.

“Estamos em vários espaços na Universidade para sensibilizar os/as docentes no sentido de que o Sindicato é o nosso mais importante instrumento de luta e precisamos nos unir para fortalecê-lo”, afirmou o secretário Geral da Aduferpe, Hélcio Batista. Além dele, participaram da atividade a presidenta da Aduferpe, Erika Suruagy, e o Tesoureiro, Tarcísio Augusto. Se você ainda não é filiado, venha fazer parte da nossa luta!

Mais informações, na

Secretaria da Aduferpe, na UFRPE. 3442.1139 e 3269.4142

Posted On 21 set 2018

Paulo Freire em Setembro homenageia cinquentenário da obra Pedagogia do Oprimido

Hoje foi dia do Paulo Freire em Setembro, atividade anual da Cátedra Paulo Freire/UFPE, promovida conjuntamente com o Centro Paulo Freire – Estudos e Pesquisas e o Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Pernambuco – Sintepe. O evento, que contou com a presença da diretoria da Aduferpe no ato político-pedagógico, foi criado em 2013 para homenagear o Patrono da Educação Brasileira no dia do seu nascimento, 19 de setembro. Neste ano, o Paulo Freire em Setembro homenageia o cinquentenário da obra Pedagogia do Oprimido.

Posted On 20 set 2018

Vídeo 1 da palestra do ex-ministro da Justiça, Eugênio Aragão

Click no link e assista o primeiro vídeo da aula do ex-ministro da Justiça, Eugênio Aragão, que encerrou o Curso O Golpe de 2016 e o Futuro da Democracia no Brasil, promovido pelo Deciso/UFRPE, como o apoio da Aduferpe. Na mesa de abertura, as falas da presidenta da Aduferpe, Erika Suruagy, da Coordenadora Geral do DCE da UFRPE e presidenta da UEP, Manuella Mirella, da diretora do Deciso, Andrea Butto, e do professor do Deciso e um dos coordenadores do curso, João Morais.

https://youtu.be/MlBaOlgeqLs

 

Posted On 19 set 2018

Nova sindicalizada à Aduferpe

Mais uma professora se filia à Aduferpe para fortalecer os direitos dos docentes. Para a Mariza Brandão, do Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal (DMFA) da UFRPE, o momento é de união para fortalecer e resistir aos  ataques contra a educação no país. Desde abril, a Aduferpe está realizando campanha de filiação exitosa, contabilizando mais de 50 novos filiados.

Posted On 18 set 2018

Reitoria marca audiência para discutir pauta da categoria somente em outubro

A direção da Aduferpe estranha que só em outubro se possa tratar com a administração superior sobre a pauta de reivindicações dos docentes da UFRPE, elaborada em conjunto com o Conselho de Representantes da Aduferpe.

O ofício da Aduferpe solicitando audiência para discutir a pauta foi protocolado no dia 9 de agosto e foi resultado de deliberação de Assembleia. A data mais próxima oferecida pela reitoria para receber os representantes da categoria foi o dia 3 de outubro, agendada após cobrança da Aduferpe. A demora na abertura ao diálogo pode comprometer o andamento de questões de grande relevância, cujas respostas não se pode mais esperar.

Entre os principais pontos do documento estão a implantação da caderneta eletrônica, problemas na progressão funcional, dificuldade de liberação dos docentes para qualificação, diárias e passagens para divulgação da produção acadêmica, inexistência de creche, más condições dos gabinetes e locais de trabalho, cortes orçamentários, entre outros.

“Esperamos que a reitoria reavalie essa data, pois há pontos na pauta que precisam de resposta urgente, como as progressões funcionais e a caderneta eletrônica, que embora termos uma conquista parcial do pleito e sua implementação definitiva tenha sido adiada para 2019.1, ainda é tema controverso e carece de discussão com a categoria”, salienta a presidenta da Aduferpe, Erika Suruagy.

Posted On 11 set 2018

Direção da Aduferpe no 24º Grito dos Excluídos

A direção da Aduferpe e docentes da UFRPE participaram, na última sexta-feira (7), do 24º Grito dos Excluídos, que reuniu movimentos sociais e sindicais para pedir o fim das desigualdades. O lema deste ano foi Desigualdade gera violência – Basta de privilégios – Vida em primeiro lugar. A concentração para o ato foi na Praça do Derby e, em seguida, centenas de pessoas seguiram pela Avenida Conde da Boa Vista. A participação da direção da Aduferpe no 24º Grito dos Excluídos foi aprovada na última Assembleia Geral da categoria.

Posted On 10 set 2018

Sede da Aduferpe melhora estrutura física

Para atender melhor os/as docentes sindicalizados/as, num ambiente agradável e com maior segurança, a Direção da Aduferpe realizou várias obras de manutenção em sua sede, em Dois Irmãos. Entre elas, obras de reparo nas paredes, colunas, caixa d’água, além de manutenção de portas, substituição de vasos sanitários, torneiras e pintura.

Segundo a presidenta da Aduferpe, Erika Suruagy, as intervenções visam melhorar os espaços de trabalho da direção e dos/as funcionários/as, assim como as áreas de convivência dos/as filiados/as. Ainda foi realizado um trabalho de identidade visual em todos os espaços da sede da Aduferpe.

 

 

Posted On 31 ago 2018

Reforma Trabalhista: eles votaram SIM pelo fim dos seus direitos

Para quem está (ou estava) empregado, a reforma trabalhista do desgoverno Temer significa uma só coisa: PREJUÍZO. Senão, vejamos: as entidades que representam a classe trabalhadora estão fragilizadas, os novos contratos de trabalho precarizados, a saúde do trabalhador se ressente de garantias, e as questões negociadas prevalecem sobre as legisladas.

A jornada de trabalho passou a ser flexível, as grávidas e lactantes podem trabalhar em locais insalubres, o tempo mínimo do horário de almoço caiu para trinta minutos, e os empregados que recorrerem à Justiça do Trabalho correm o risco de arcar com os custos das ações judiciais perdidas.

O resultado é terrível: os sindicatos estão enfraquecidos, e a classe trabalhadora está à mercê da ‘lógica do mercado’. Os acordos coletivos caíram em 30%, enquanto as convenções coletivas diminuíram em quase 50%. Os empregados estão privados de conquistas históricas, fundamentais para sua segurança e para sua dignidade.

E por causa dessa ‘reforma’ temerária, até a Organização Internacional do Trabalho (OIT) incluiu o Brasil na lista dos países suspeitos de violar as convenções trabalhistas…

Portanto, vale a pena anotar o nome desses parlamentares, traidores da classe Trabalhadora, que aprovaram esse retrocesso. Eles não merecem o voto de ninguém.

Posted On 28 ago 2018