Aduferpe– Seção sindical do Andes – SN Ao lado da organização dos trabalhadores.

Aduferpe – Seção sindical do Andes-SN, vem a público colocar-se na linha de frente, ombro a ombro, com as aspirações e ações concretas levadas a cabo pela classe trabalhadora, quais sejam, reconhecer e legitimar que no Brasil inteiro, nas praças, nas vigílias, nos atos de rua, que a classe está mobilizada pela defesa e aprofundamento do Estado democrático e de direito, para que seja garantido a um cidadão, ao um politico, exercer seu direito de se candidatar às eleições a presidente da república em seu país.

Não assumimos tal posição ingenuamente, muito menos com posturas sectárias, reconhecemos e criticamos veementemente equívocos cometidos, mas seguimos lutando e disputando para que tais equívocos sejam superados no desenvolvimento das lutas concretas do trabalhador, por dentro de seus organismos políticos, entre eles seus sindicatos, reconhecidos como pontos de apoio que unificam a unidade na luta contra os ataques aos trabalhadores.

Nesta conjuntura, parte dos meios de comunicação (mídia tradicional, conservadora) aliados e formuladores do golpe, batem diuturnamente na tecla da necessidade de reformas do Estado brasileiro, onde o “Estado Mínimo e a flexibilidade de direitos” são vendidos como canto de sereia, onde a Petrobras, Eletrobras, Embraer, a base de lançamento de satélites de Alcântara entre outras empresas nacionais, são postas a venda ou entregues de forma vil aos interesses dos abutres especuladores internacionais.

Os conluios construídos como desdobramentos do golpe de 2016, já resultaram em ataques a direitos e proteções históricas à classe trabalhadora, a começar pela famigerada EC 95, que congela gastos públicos por vinte anos, seus efeitos já estão batendo na vida de todos nós. A reforma trabalhista, a lei da terceirização irrestrita, o aprofundamento dos ataques à maioria dos servidores públicos, com a possibilidade concreta de congelamento de salários, ao ensino superior e aos cortes nos investimentos em ciência e tecnologia, entre outros, aprofundam o quadro de terra arrasada que restará ao povo brasileiro.

Já a possibilidade da condenação de Lula pelo TRF 4, se mostra como a pedra de toque para a implementação da contrarreforma da previdência que está para ser votada,baseada no falacioso discurso do rombo da previdência. O processo e julgamento de Lula não são jurídicos, são a expressão de uma perseguição politica antidemocrática, golpista, enfim!

Assim, reafirmamos o lugar e a opção de classe da Aduferpe – Seção sindical do Andes-SN, de seguir sintonizada com as aspirações históricas de sua base e da classe trabalhadora, qual seja, reconhecer nas contradições da realidade a necessidade de se fortalecer e lutar pela unidade dos trabalhadores, para garantir que as iniquidades imputadas ao cidadão Luiz Inácio Lula da Silva, não sejam em outros momentos imputadas a quaisquer trabalhadores brasileiros, e nos colocamos ao lado dos que afirmam o direito de Lula se candidatar: Eleição sem Lula é Fraude!

Neste sentido, na continuidade das ações de resistência, convidamos para o lançamento do comitê da Frente Brasil Popular / FBP – UFRPE pela Democracia e pelo direito de Lula se candidatar, no dia 01 de fevereiro de 2018, às 16h, na Aduferpe.

 

Fora Temer!

Eleição sem Lula é Fraude.

Nenhum direito e menos.